sexta-feira, 8 de junho de 2012

Amuletos e Mandingas: pontes de conexão com o Universo

Cada um de nós possui ao menos algum amuleto ou mandinga para servir de "ponte de conexão" entre o que somos fisicamente e espiritualmente.


Serve para nos auxiliar nas conexões entre o Universo e nosso Eu Interior.

Eu mesmo convivo com ambos, como estalar os dedos (dedão e pai de todos) doze vezes sempre que saio de casa (atualmente, dentro do elevador), para promover a limpeza nos caminhos que viverei durante o dia e também quando chego em algum lugar, para que as energias sejam positivas e geradoras de Amor e Abundância, nos relacionamentos que lá acontecerão.

Outra que adotei recentemente é, antes de sair e ao chegar em casa, falar o mantra indiano “Om Gam Ganapataye Namaha” por três vezes seguidas, mantra este que nos ajuda a lembrar que a Vida é uma constante transição cheia de novos começos, escolhas e oportunidades e que sua verbalização nos conecta com o novo, para o início de qualquer processo (um novo dia, uma viagem, um relacionamento, um trabalho, uma cerimônia...).

E mais uma, que é tirar os sapatos ao entrar em casa e colocá-los próximos e de frente para a porta, para só depois caminhar dentro de meu vaso sagrado.

Há pouco, recuperei um amuleto dos tempos de infância e que coincidentemente acabei por encontrar alguma informação muito interessante, que compartilho aqui: a figa.

“A figa é um amuleto tradicional no Brasil, mas sua origem está muito longe deste país.
Estas podem ser confeccionadas em ouro, prata, marfim, pedras diversas, osso, madeira, entre outros.
Sempre acompanhada de lendas e invocações, no entanto nada tem haver com o catolicismo, ela está ligada aos velhos cultos fálicos da Ásia e África
No Brasil colônia, os portugueses usavam a figa, mas alguns padres proibiam o uso destes pelos crentes, sem resultado, pois eles teimavam em usá-las para sua proteção pessoal.

Apesar da etimologia “figa” ter origem desconhecida, temos uma vertente bem interessante: do latim “fícus” com a significação de figueira.
Em português a figa, em sentido figurado com o feminino, foi simbolizada no fruto da figueira.

Mais tarde o órgão masculino foi simbolizado em um pedaço de tronco da figueira ou parreira, que os negros a chamavam de Potência ou Poder negro, o fragmento da árvore era cultuado em honra a Exu, uma manifestação da força da natureza, que representa o falo.

As primeiras figas provavelmente foram feitas do tronco da figueira, representando a dualidade feminina e masculina, fertilidade e símbolo da vida.
Está árvore é nativa das regiões áridas da Ásia e da África do Norte.
Entre os caldeus e cananeus a figueira era tida como o símbolo da vida, fecundidade e proteção, o mesmo ocorria entre outros povos.
A figa, em sua evolução, tem datas imemoráveis. 
Os povos caldeus, cananeus, egípcios, persas, gregos e romanos já a conheciam como amuleto, em diversas formas.
Encontradas nos túmulos pré-romanos e nas escavações das cidades de Pompéia e Herculano, destruídas pelo Vesúvio (vulcão), como também Baal, Príapo, Dionísio, Baco e Exu, divindades da fertilidade.

A mais conhecida entre nós é a fálica, também chamada de latina, tem em sua configuração a mão fechada, onde o polegar está colocado entre o indicador e o médio, representando assim o poder da fertilidade e vitalidade, no qual o dedo polegar simboliza o fálico e o indicador e médio o feminino.
Atualmente na África não se vê a figa cultivada como divindade fálica, mas ela permanece como símbolo que evoluiu da árvore até um pedaço de madeira das festividades de Baco, até os nossos dias sob a forma de mão fechada.
Como se vê, a figa é usada desde a antiguidade e por várias civilizações, mas o simbolismo é o mesmo até hoje, ou seja, proteção.
Encontramos na figa a vitalidade e fertilidade de Exu, senhor do axé, do poder, da proteção, o guardião que vitaliza, desvitaliza ou neutraliza toda e qualquer ação, em tudo e em todos os campos.
Alguns pretos(a) velhos(a) na Umbanda utilizam a figa como recurso de neutralização de qualquer ação negativa em seus trabalhos, ou seja, buscam o auxilio do guardião.”

Demais não é?
O que importa é crer que ao solicitar estas conexões, possamos nos fortalecer e superar algum medo, temor ou desconfiança.

E você... qual ou quais são seus amuletos e mandingas? 
Conte prá gente aqui, com seu comentário ;-)

Figa: fonte: www.jornalnacionaldaumbanda.com.br  Edição: 33
Pesquisado por adrianaquadro@hotmail.com

PS: Se gostou, compartilhe com familiares, amigos e nas redes sociais. Se tiver dúvidas ou queira compartilhar suas sensações, deixe seu comentário e conversamos. Syn! Vibro que aprecie muito!

curta.contate.siga.vamos.juntos
     

Nenhum comentário:

Postar um comentário